Radio Music Player Free Online

terça-feira, janeiro 18, 2011

* Da série de poemas ' DE ONDE SOU '


FOGO DE CHÃO

Eis que arde um fogo de chão
Já há mais de cem anos
Que a fogueira ali se cria
Na Fazenda do Boqueirão
-----------------------------

Ele já viu nascer muita guria
Em mais de mil trocas de panos
Aquecendo toda noite fria
Foi testemunha da renovação
-----------------------------

Atrai gaúchos e castelhanos
Pelo mito que a chama cria
Brasa mansa ou toco em fúria
Que orgulha uma povoação
-----------------------------

Queima lentamente a incúria
E imune aos limites humanos
De Onde Sou seja noite ou dia
arde em chamas a tradição !
-----------------------------

16 comentários:

✙Eurice✙ disse...

Bello poema IvanCesar.
Saludos!

Graça Graúna disse...

Que a chama da cultura nunca de apague. Beleza de tradição. Parabens pelo poema. Bjos, Grauna

Zélia Guardiano disse...

Lindo, lindo, amigo Ivancezar!
Grata por você ter dividido sua cultura regional comigo.
Gostei muito!
Abraço forte, querido.

Celêdian Assis disse...

Uma justa e bela reverência à tradição do seu chão e ao amor que tens por ele.
Um beijo, meu querido amigo Ivan.
Celêdian

Janita disse...

Olá Ivan.
Não sei se essa Fazenda do Boqueirão existe, mas este belo poema fez-me lembrar as fogueiras do Sertão, brasa mansa ou toco em fúria, lindas canções de amor ateando paixões.
Muito bonito meu talentoso amigo.
Beijos da
Janita

MAR disse...

Sí, muy bello poema.
Besos para ti.
mar

Nilza disse...

Meu querido Ivan.

Raízes são raízes, sem elas simplesmente não temos vida nem histórias pra contar.

beijos, muitos...

Nilza disse...

Meu querido Ivan.

Raízes são raízes, sem elas simplesmente não temos vida nem histórias pra contar.

beijos, muitos...

María disse...

Fuego, ese calor que arde desde el sol.

Bellos versos.

Saludos.

Janita disse...

Olá amigo Ivan.
Então como estão a correr s vossas férias?
Fiquei contente por saber que estão realizando o sonho de conhecer a Europa.
A altura do ano é que não é a melhor. Andamos todos a tremer de frio!

Beijos para ti e família.
Tudo de bom, desfrutem bem do velho Continente.

Belkis disse...

La tierra arde, a veces por exceso de sol, por exceso de amor, por desamor, por falta de agua, por desolación, por descuido nuestro. Muchos son los motivos, debemos mitigar su dolor.
Muy bellos versos Ivancezar.
Un abrazo

Imagem e Poesia disse...

Belo escrito, amiguinho.
Estava com saudades de te ler.
Beijinhos
Ceiça

* Vai mesmo a Portugal?

María disse...

Hola, amigo, no tienes nada nuevo pero te dejo mis saludos.

aikatherine disse...

kaunis kuvio. maailman tulet , puut palavat, tunteet palavat , teot polttavat, sielu ja mielikin palaa.
ikuinen tuli on jumalallinen liekki.

aikatherine disse...

Obrigado pela sua visita meu caro amigo, a alegria é minha, eu não tenho muitos amigos poeta. Estou contente e feliz por doar um pouco para você. Amor siusta alegrar a alma. ha



Encantamento

Dia desaparece na noite
Eu sei que o huuman jardim de ervas
Pressione no verão cantarolando

Midnight água punaa dom.
sobe o orvalho sobre a pele
afogamento no verão a rosa

Eu sou uma borboleta,
que dança valsa
in no coração antes da morte

Nevoeiro envolve os braços em torno deste momento encantado

Desaparecimento da Via Láctea em um encordoamento não
tempo torna a criação
Trevas Branco

Espreme Vanamon e madressilvas encantado
keräksi debaixo do meu travesseiro
unteni país é uma noite de verão perpétua

Aikatherine 2011/02/25

aikatherine disse...

5 palavras: / Huuman drogas = / = punaa blush / Vanamo = flor perfumada de pequeno porte. / Keräksi volta = / Unteni = meu sonho