sábado, setembro 12, 2009

Muralha

Minha cidade está triste
Um mau cheiro se espalha
O povo a tudo só assiste
Fiéis afundando a navalha
oooOOOooo
E um discurso que insiste
Na posse de toda a medalha
Nem santo à lógica resiste
Tanta ganância só atrapalha
oooOOOooo
Hoje a cidade é só despiste
Curvada à visão canalha
Mas longe há quem aviste
No horizonte uma muralha

5 comentários:

Úrsula Avner disse...

Olá meu caro poeta, seu poema me trouxe a imagem do povo brasileiro frente ao atual cenário político e social da nação. Espero também contemplar um horizonte para além das muralhas. Um abraço.

Nydia Bonetti disse...

Como bem disse Jane Jacobs: Olhando as cidades, percebendo as trevas. Infelizmente, acho que ela estava certa. Mas precisamos seguir acreditando na possibilidadede de uma "nova cidade", de um "novo Homem"...
Boa semana, Ivan.

celina vasques disse...

Fantástico como sempre teu poema s traz a nossa realidade...infelizmente e o dificil é encontrar carneiros em caixa!!!
Sempre bom visitar-te e ler-te querido poeta e muito melhor ainda é saber-te meu amigo e o teu carinho constante nas visitas aos meus humildes poemas!
Obrigada por existires na minha vida Poeta!
beijos meus!

Nilza Rouquentin disse...

Infelizmente Ivan, até nas muralhas não temos mais visão límpida, porque além da sujeira , omissão e disfarçatez que temos de suportar de politicos e autoridades, assistimos impassiveis e ao mesmo tempo estupefatos a violaçao emocional e visual dos nossos muros e muralhas...literalmente.

Zeus disse...

Passando pata ver as novas e aproveito para te deixar o seguinte pensamento:

Ter sua amizade é como juntar pequenos diamantes.
Pois a amizade é a maior riqueza
que alguém possa ter, ou conquistar.
Pois ela vem com vontade própria.
Construída à cada passo pelo carinho, sinceridade, sentimentos,
Por isso eu posso dizer,que sou uma pessoa rica por conhecer você!''

Um abraço e seja feliz!