Radio Music Player Free Online

domingo, agosto 23, 2009


Décima da Certeza

I
A dúvida carrega germe
e chaga da vida
Na arte de existir
não cabem os contudos
II
Um porém a um amor
traz a dor incontida
Posta em escultura
sem forma ou contornos
III
Os Pirralhos que se banham
à chuva caída
Despem-se daquela capa
ladra dos encantos
IV
Que esconde a frustração
em cada todavia
Na infância se ensaiam
sem sexo os cantos
V
Que proclamam a certeza
da dúvida inibida
A dizer um não à flor
dos aromas furtados
VI
Mesmo no poema
a ressalva faz uma ferida
Os sentimentos só brilham
quando inteiros
VII
A auto-estima é prima-irmã
Bonita e envaidecida
A incerteza faz a fenda
dos males maduros
VIII
A própria vida só é vida
se nascida e parida
Se metido o todavia sobram
Só caminhos escuros
IX
Há muito para aprender
na paixão envelhecida
Só as convicções edificam
Velhos valores intactos
X
É o império de ver
Vitoriosa a investida
Em versos que invocam
Visitantes futuros

9 comentários:

Úrsula Avner disse...

Caro autor, lindo poema ! " os sentimentos só brilham quando inteiros " ... este verso é daqueles que nos fazem parar para refletir e absorver a beleza do poema. Gostei muito ! Obrigada por seu carinho. Tenha uma ótima semana.

Chá das Cinco disse...

"Os sentimentos só brilham
quando inteiros"

Muito lindo!!!
Gostei muito dos poemas,fiquei por aqui um tempão curtindo e crifando mentalmente as frases que me encantaram.
Aqui é um verdadeiro canto filosófico,parabéns!
A tua visita será um imenso prazer.
Um abraço
Gemária Sampaio

Nydia Bonetti disse...

arte difícil esta, de existir. há sempre muito a aprender... gostei demais, ivan. beijo.

Chá das Cinco disse...

Adorei o "menina",essa menina tem 45 anos meu caro,mas com carinha e espiritos joviais rs
O otimismo é revigorante, a paz conserva o viço da nossa pele.
O Chá das Cinco ficou melhor com a tua presença meu amigo.
Um abraço
Gemária

Joe_Brazuca disse...

normas etéreas
versos,
mistérios...

eis a leis da vida !

excelente, poeta !

abs

Nilza Rouquentin disse...

Os versos das conjunções...muito bem conjugadas... decifradas. Adorei toda essa subjetividade Ivan... só não sei se paixões envelhecem...a minha só rejuvenesce-me, principalmente esta, pela poesia...

Doroni Hilgenberg disse...

Ivan,

Interessante seu poema, reflexivo...
os adjetivos, contudo, todavia, porém, são incertezas que não fortalecem os sentimentos, embora caibam no poema
bjs

Zeus disse...

Não entendo nada de poemas mais sei cultivar uma amizade então aproveito a passagem para deixar o seguinte pensamento:
"Quando você ao acordar, abrir a janela, olhar o céu, e contemplar o brilho do sol, imagine que o seu dia terà um brilho muito maior do que este, porque você assim o deseja, assim o quer.
E mesmo que não consiga ver este brilho com os olhos, o sentirá reflentido em você na sua alma, pois ele nada mais é que a sua felicidade, ou sua vontade de lutar, para encontrá-la."

Um abraço e seja feliz.

Almirante Águia disse...

Aprender a decifrar a vida, eis a questão.
Versos cheio de dúvidas e conclusões, com vistas no porvir.

Grande Abraço