Radio Music Player Free Online

terça-feira, abril 30, 2013


Astúcia

Rasga as folhas de papel virgem
Haverão de arder como lenha
Filhas espúrias da árvore morta
Esmaga bolhas de ar da margem
Buscando decifrar a vadia senha
Cúmplice  de uma história torta

Desde uma outra porta
Aberta ou não
Rasga páginas filhas da fúria
Para escrever então
Uma síntese que comporta
Negar a estrela da cúria

Rasga as folhas de papel virgem
Se nelas não couber o embrião
Mastiga os grãos da vargem
Deixa que a natureza às tenha
Para copular em outra estação
A astúcia dos versos que surgem

terça-feira, abril 23, 2013


Poema a uma instância

Há uma outra instância

Onde cabem respostas

Onde as perguntas morrem

Onde as dúvidas se dissolvem

Percorrendo a distância

Posta  em rotas e apostas

Entre um sítio e uma estância

Num chão que as dores varrem

Há, sim, uma outra instância

De ventania deixada às costas

Onde as mágoas se resolvem

Onde os valores se promovem

Onde a vida é a substância

E as verdades bem dispostas

Cunham frases que comovem