Radio Music Player Free Online

domingo, agosto 23, 2009


Décima da Certeza

I
A dúvida carrega germe
e chaga da vida
Na arte de existir
não cabem os contudos
II
Um porém a um amor
traz a dor incontida
Posta em escultura
sem forma ou contornos
III
Os Pirralhos que se banham
à chuva caída
Despem-se daquela capa
ladra dos encantos
IV
Que esconde a frustração
em cada todavia
Na infância se ensaiam
sem sexo os cantos
V
Que proclamam a certeza
da dúvida inibida
A dizer um não à flor
dos aromas furtados
VI
Mesmo no poema
a ressalva faz uma ferida
Os sentimentos só brilham
quando inteiros
VII
A auto-estima é prima-irmã
Bonita e envaidecida
A incerteza faz a fenda
dos males maduros
VIII
A própria vida só é vida
se nascida e parida
Se metido o todavia sobram
Só caminhos escuros
IX
Há muito para aprender
na paixão envelhecida
Só as convicções edificam
Velhos valores intactos
X
É o império de ver
Vitoriosa a investida
Em versos que invocam
Visitantes futuros

domingo, agosto 16, 2009




POSTAGEM SOLIDÁRIA atendendo, com muito prazer , a um pedido da poetisa GRAÇA GRAÚNA . Com gosto redobrado, porque SEPÉ TIARAJÚ empresta seu nome à cidade de SÃO SEPÉ, minha terra natal . Aqui no BLOG diversos trabalhos mostram um pouco da história do índio guerreiro. A história de amor com a índia PULQUÉRIA deu lugar a inúmeras lendas. No município de São Sepé existe a GRUTA DA PULQUÉRIA, local onde se encontravam os amantes . Dizem que após a morte de Sepé, as lágrimas de Pulquéria deram luz às nascentes do Rio São Sepé . O lunar do índio Sepé, marca registrada de sua face, dela se desprendeu e subiu ao céu para dar origem ao cruzeiro do sul. Deixo assim, minha homenagem ao texto que a querida Grauninha me envia para publicação.
Sepé Tiaraju (-1756) – Herói guarani, de São Miguel (RS), foi morto em combate. Tornou-se figura central na luta contra o Tratado de Madri, que exigia a retirada da população guarani do território que ocupava havia cerca de 150 anos. Defendeu com a vida o rincão de caça, pesca, plantio e morada do povo guarani. Recebeu por isso canonização popular. Costumava dizer “Esta terra tem dono”. Após sua morte foram dizimados 1500 guaranis por espanhóis e portugueses.Objetivando incentivar e divulgar a literatura concebida nas Línguas Espanhola, Portuguesa e Guarani, a Oca das Letras promove o 1º Prêmio Sepé Tiaraju de Poesia Ibero-Amerícana/2009, instituído pelo seguinte regulamento:Art. 1º. O 1º Prêmio Sepé Tiaraju de Poesia Ibero-Amerícana/2009 destina-se a todas as pessoas interessadas, desde que as poesias sejam escritas em Língua Portuguesa, Espanhola ou Guarani.Art. 2º. As inscrições são gratuitas e se encerram no dia 31 de agosto de 2009. Após esta data, os trabalhos serão desconsiderados.Art. 3º. Os concorrentes poderão participar com 3 (três) poesias, cada uma limitada a 25 (vinte e cinco) linhas de 60 (sessenta) caracteres. As obras inscritas deverão ser inéditas e não podem ter sido premiadas em outro concurso de poesia.Art. 4º. As inscrições são efetuadas através do sítio eletrônico da Revista Cultural Oca das Letras (link no final desta página).Art. 5º. Cada concorrente pode realizar apenas 1 (uma) inscrição contendo necessariamente 3 (três) poesias.Art. 6º. Os resultados serão divulgados no sítio eletrônico da Revista Oca das Letras (http://www.ocadasletras.com.br), pela mídia e individualmente (via e-mail) a todos os participantes, no dia 15 de outubro de 2009.Art. 7º. A comissão julgadora será composta por 5 (cinco) membros de reconhecido nível intelectual, sendo sua decisão soberana e irrecorrível. A comissão julgadora pode conceder menções honrosas.Art. 8º. Premiação:1º lugar:- Troféu Sepé Tiaraju, confeccionado por Guaranis;- Certificado de participação constando a referida classificação;- Publicação de um livro de poesias, de aproximadamente 50 (cinqüenta) páginas. O autor receberá 20 (vinte) exemplares, a título de cedência de direitos autorais para esta edição específica;- 2 (dois) exemplares do livro “Antologia do 1º Prêmio Sepé Tiaraju de Poesia/2009”, contendo 3 (três) poesias de cada autor premiado (até o 20º colocado), a título de cedência de direitos autorais para esta edição específica;- Publicação de 5 (cinco) poesias na edição de novembro/2009 da Revista Oca das Letras.2º ao 20º lugar- Certificado de participação constando a referida classificação;- 2 (dois) exemplares do livro “Antologia do 1º Prêmio Sepé Tiaraju de Poesia/2009”, contendo 3 (três) poesias de cada autor premiado, a título de cedência de direitos autorais para esta edição específica;- Publicação de 1 (uma) poesia na edição de novembro/2009 da Revista Oca das Letras.Parágrafo 1º: A Comissão Julgadora poderá conceder Menção Honrosa para um ou mais trabalhos, se assim julgar pertinente, dando direito a certificado e publicação.Parágrafo 2º: Ao autor não caberá nenhum tipo de indenização ou pagamento de qualquer espécie, por parte da Revista Oca das Letras e da editora responsável, na publicação de seu trabalho.Art. 9º. O encaminhamento dos trabalhos na forma prevista neste regulamento implica na concordância plena com as disposições nele consignadas.Art. 10º. Casos omissos serão resolvidos pela Comissão Organizadora.

sábado, agosto 08, 2009

(Imagem do Google)

Teus olhos

Vejo em teus lindos olhos
Muito mais que uma cor
De um verde bem denso
Roubado dos campos
Onde sem ninguém a opor
Nosso amor se fez imenso
oooOOooo
Vejo no brilho de teus olhos
A cor ainda viva da flor
Guardada depois no lenço
Captura de perfumes furtados
Das pétalas o puro frescor
Abrigo do melhor senso
oooOOooo
Vejo no profundo dos olhos
O elemento arisco da dor
A lágrima se faz rio extenso
Onde navegam resignados
Pedaços mortos do sedutor
Prisioneiro do mirar intenso
oooOOooo