Radio Music Player Free Online

terça-feira, junho 30, 2009

PELO SIM E PELO NÃO

O ditado é antigo e quando se diz que entre o “sim” e o “não” estão delimitados os pontos cruciais de uma decisão, de fato não se está cometendo nenhum exagero. Entre um e outro, só ficam aqueles que a cultura popular consagra como a turma do “encima do muro” , ou seja , os sem posição, cuja personalidade de tão fraca não permite assumir um ponto de vista. Já nem se fala de defendê-lo - “assumir a causa” - mas apenas de abraçar a ideia.

A imprensa diariamente repercute as diversas situações que o mundo nos oferece para que, enfim, possamos aderir ou não. Concordar ou discordar . Repudiar ou aprovar.Os freqüentadores mais covardes do muro sempre encontram uma justificativa para sua inércia e vem com aquela conversa pobre de que “minha opinião não muda nada mesmo” . - Só que muda sim, e muito !

A opinião pública com o advento da internet tem se tornado num dos mais fortes elementos de transformação social e obstáculo quase intransponível às velhas práticas de manipulação das informações. Assim pois, que devemos incentivar e exercitar a emissão de opiniões e exaltar ao máximo a livre investigação de todas as verdades.

Duas crônicas que escrevi recentemente – “Pero no Mucho” e “A Saúde da Segurança” repercutiram mais que muita matéria jornalística e até mesmo “sacudiram” algumas estruturas corporativas que quase invariavelmente “brecam” seqüências de matérias sobre temas que não lhes convenha.

Ou seja, o que importa destacar é que muitas vezes a imprensa diz SIM para determinadas matérias, mas diz NÃO para a seqüência investigativa.Por isso creio que o mais importante é saber que muitas cabeças privilegiadas que não haviam despertado para o enfoque defendido nessas crônicas independentes , passaram a aderir à massa crítica no entorno dos temas, elevando e exponencializando o debate , tudo , graças à simples e nada difícil decisão de escrever, vertendo ao texto uma idéia, uma proposta de debate.

A imprensa que deveria repercutir muitos desses assuntos que a sociedade reclama, parece comprometida com nuances de poder político e econômico que – como nunca na história recente – comprometem a independência desse setor que tantos e relevantes serviços já prestou para a sociedade brasileira. O silêncio sobre temas e acusações que rodam por aí soltas na grande rede, envergonha e desilude ao cidadão mais esclarecido.

Nossa tarefa como livres investigadores da verdade e defensores do livre arbítrio é a de incentivar as manifestações de pensamento e fazer circular esse senso soberano pelo maior número possível de indivíduos influentes, quer no universo do bairro ou da vila, quer nas cidades ou estados.

Vale encerrar esta crônica com o pensamento do estadista irlandês , John Philpot Curran , que escreveu : "É comum o indolente ver seus direitos serem tomados pelos ativos. A condição sobre a qual Deus dá liberdade ao homem é a eterna vigilância; se tal condição é descumprida, a servidão é, ao mesmo tempo, a consequência de seu crime e a punição de sua culpa" .

sábado, junho 27, 2009


Estopim

O estopim queima o caminho
Rota que conduz ao petardo
Para que se erga a explosão
Que é energia rica em espinho
As lanças engordam o fardo
Das almas pobres de coração
Pois no campo do mesquinho
Colhem-se flores de cardo
Dispostas sem vez à emoção
No brinquedo d´um gurizinho
Que cresce sem ver o retardo
Teso para renovar a implosão

domingo, junho 21, 2009


Reconhecimento

Eis aqui a admiração
Pelos atos de amor
Da entrega total
Por entoar a canção
Para o sofrimento cessar
Nos momentos de dor
Aliviando um mal
Mitigando a tensão
Sem nada a interessar
Tua alma é uma flor
Do jardim celestial
Em versos de emoção
O poeta a te reverenciar
Sem lugar ao favor

terça-feira, junho 16, 2009


Os sonhos bons

O tiro certeiro não foi disparado pela arma de fogo , e para dizer a verdade, nem havia munição . Eram projéteis de palavras lançadas ao vento manso por um traiçoeiro , e o vendaval resultado infalível do acerto ao alvo, como convém aos amargos legados, deixou estragos – feridas profundas. A essência de um ser e uma parcela do existencialismo material morto , para na seqüência previsível das biografias, ser muito timidamente ressuscitado na sobrevida metafísica das ralas idéias em movimento.

É provável que na vã e pobre filosofia de um escriba amargurado Heráclito descenderia de seu trono pensador para dizer – “acalma-te, porque tudo é movimento”; e quando o aflito escritor arriscasse buscar murmurado auxílio num altar de orações, ouviria o brado furioso e quase insano de Nietzche:- “Não sejas decadente” ; quando já mergulhado em mar de dúvidas , para delas extrair a salvação clamaria o arrimo de Descartes ... e no fim, por ironia , acabaria isolado na ilha de Morus, fiel súdito do Rei Utopus !

Ah , o escriba e seu drama existencial ! – Sobreviverá ele à tempestade das mazelas humanas ? Ninguém sabe; a verdade é essa ... nunca se saberá, porque o mistério da criação se esconde na desconfiança perpétua . Quem somos - de onde somos ?

E se por parcos instantes, miseráveis fragmentos de luz confiamos dominar o saber , logo somos apunhalados pela traição de princípios – a punhalada esotérica – o falso amigo, o ruir das convicções que nada mais é do que o apagar das luzes dos sonhos bons.


domingo, junho 14, 2009

O dia seguinte

Amanhã quando clarear o dia
Se por um daqueles acasos
Escurecerem suas idéias
Não se desespere
Mergulhe na imensidão preta
Não esqueça do silêncio
Desde remotos tempos
Ele funciona como o guia
Da iluminação
Quando enfim se abrir o céu
e o verbo florescer
Com sonoros movimentos
Trará de volta a claridade
Que se instalará
Por detrás das magas sombras
Que se renderão à luminosidade
Já terá dormido o silêncio
Mas, por favor , não se iluda
Será só uma trégua
Porque na dança do amanhã,
Sempre se faz presente uma dama
Linda dona vestida de preto
Que se chama escuridão

quinta-feira, junho 11, 2009



Teoria do “R”

No impune teorema
do erre
Adverte o sistema
Blindado à compaixão
Para que não
se erre
Criado um problema
Vem a cruel decisão
De que a alma
se encerre
Na vista extrema
Há um juízo em ebulição
Onde se ferve
o erre
Do erro em emblema
Na coletiva retribuição
Que toda culpa
Se ferre !

sábado, junho 06, 2009

Círculos

Preso aos tentáculos
Divinais
Dantescos
Andava em círculos
Desiguais
Concêntricos
Em giros ridículos
Dos ancestrais
Excêntricos
Carregou testículos
Existenciais
Esotéricos
Mas sem versículos
Perimetrais
Anoréxicos
Viveu sem escrúpulos
Diametrais
Genéricos
Pulando obstáculos

quinta-feira, junho 04, 2009


Fecundação

Vai anda e corre
Distinto
Moço espermatozóide
Acelera
Senão você morre
Faminto
Sem vez a tablóide
Persevera
Fica esperto na torre
Fecunda o asteróide
Absinto
Licor no céu em porre
Ejaculado debilóide
Te entrevera
Que a vida escorre

segunda-feira, junho 01, 2009


Recebí do Cristiano Melo
Este selo é premio e representa, segundo os seus criadores,"as sensações que a cor violeta
traz para
a nossa mente". Ele é dado àqueles blogues que têm algumas das sensações da cor
violeta, a saber: magia, encantamento, graciosidade, magnetismo e tudo aquilo que parece
mágico.
As regras são simples: Exibir o "Selo Violeta" no seu blogue, juntamente com estas regras, e
indicar os blogues que quer premiar. Avisar os nomeados por si.
Que a Luz Violeta, com toda a sua magia de transmutação, esteja sempre presente na vida de
todos
Mais informações emhttp://compulsaodiaria.blogspot.com/2009/06/premio-violeta-cor-da-cor-candido-seu.htmlabraçosPS: para visualizar basta ir em meu blog